quinta-feira, 18 de março de 2010

INSTRUÇÕES PARA CELEBRAR A MISSA "VERSUS DEUM"




Momentos em que o sacerdote deve ficar de frente para os fiéis:


Terminado o canto da entrada, e estando todos de pé, o sacerdote e os fiéis fazem o sinal da cruz. O sacerdote diz: Em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo. O povo responde: Amém.

· Voltado para o povo e abrindo os braços, o sacerdote saúda-o com uma das fórmulas propostas. Ele mesmo ou outro ministro pode, com brevíssimas palavras, introduzir os fieis na Missa do dia. (IGMR, 124)

· Outra vez no centro do altar, o sacerdote, de pé e voltado para o povo, estendendo e unindo as mãos, convida o povo a rezar, dizendo: Orai irmãos e irmãs etc.
O povo põe-se de pé e responde, dizendo: Receba o Senhor. Em seguida, o sacerdote, de mãos estendidas, diz a Oração sobre as oferendas. No fim o povo aclama: Amém.
(IGMR, 146)

Em seguida, o sacerdote, de mãos estendidas, diz em voz alta a oração: Senhor Jesus Cristo, dissestes aos vossos apóstolos...;
· terminada esta, estendendo e unindo as mãos, voltado para o povo, anuncia a paz, dizendo: A paz do Senhor esteja sempre convosco. O povo responde: O amor de Cristo nos uniu. Depois, conforme o caso, o sacerdote ou o Diácono acrescenta: Meus irmãos e irmãs saúdem-vos em Cristo Jesus.
(IGMR, 154)

Terminada a oração, o sacerdote faz genuflexão, toma a hóstia consagrada na mesma missa e segurando-a um pouco elevada sobre a patena ou sobre o cálice,
· diz voltado para o povo: Felizes os convidados para a Ceia do Senhor..., e, juntamente com o povo, acrescenta uma só vez: Senhor, eu não sou digno...
(IGMR, 157)

Oração pós comunhão:

A seguir, de pé, junto à cadeira ou ao altar,
· voltado para o povo, o sacerdote diz, de mãos unidas Oremos, e de mãos estendidas, recita a Oração depois da Comunhão, que pode ser precedida de um momento de silêncio, a não ser que já se tenha guardado silêncio após a Comunhão. No fim da oração o povo aclama: Amém.
(IGMR, 165)


2 comentários:

Kairo Rosa Neves de Oliveira disse...

Existe uma enorme necessidade de valorizar a posição "versus Deum" e, principalmente, afirmar que ambas as formas podem ser usadas na missa pós-conciliar.
A propósito, a primeira foto é de algum lugar próximo?

Diác. Leandro Luis Bernardes disse...

Exatamente, algo que, infelizmente, a maioria dos padres e bispos não fazem aqui neste país. O livro de Joseph Ratzinger: Introdução ao Espírito da Liturgia é muito claro, com argumentos mais que convincentes sobre a celebração "versus deum", ou "ad orientem", como o papa prefere. Interessante que ele diz que a maneira mais tradicional e que remete às origens apostólicas da celebração eucarística é a orientação versus deum. Infelizmente houveram certas distorções que se tornaram "dogmas litúrgicos" e ai de quem quiser fazer algo "diferente", que na verdade não tem nada de diferente, mas é a tradição viva da Igreja. Não, peguei essa foto no google quando digitei "versus deum", mas estamos organizando (eu e outros padres) para celebrarmos o rito ordinário versus deum. Espero que possamos realizar esse sonho.